Geral

Fundos imobiliários com contratos atípicos revolucionam o mercado

Os fundos imobiliários que foram mal formulados no passado e deixaram de ser atrativos voltaram com um novo formato através de contratos atípicos; no ano passado a economia e o mercado deram sinais de recuperação após a maior crise que atingiu o país

A redução da inflação (IPCA) e da Selic fizeram com que muitos investimentos, inclusive imóveis, deixassem de ser atrativos. Os novos fundos imobiliários vieram como alternativa muito mais rentáveis. A crise imobiliária brasileira gerou uma grande ausência de compradores, bem como uma grande parcela de inquilinos que suplicaram a rescisão de contratos de locação ou simplesmente não os renovou.

Muitos benefícios chegam através dos fundos imobiliários com contratos atípicos como, por exemplo, a garantia de locação por, no mínimo, 10 anos e a ausência de imposto de renda – o que a torna mais segura e sólida, podendo existir a vacância física, mas não a vacância financeira, já que a multa pela “quebra de contrato” seria o valor restante do contrato. “O processo de corte de juros do Banco faz com que os Fundos Imobiliários se tornem uma oportunidade por dois motivos: pela recuperação econômica, até no próprio setor, e o resultado em rendimento dos contratos atípicos de 5 a 10 anos, que são atrelados à inflação. Esses fundos imobiliários listados em bolsa têm uma isenção do imposto de renda para a pessoa física”, defende Thiago Figueiredo, especialista do setor.

Thiago acredita que terá um fluxo de aplicações do mercado de renda fixa de baixo risco para esse tipo de produto e também que exista uma tendência até dos próprios alocadores começarem a alocar recursos nesse tipo de produto. Na prática a operação consiste em o fundo comprar um imóvel logístico de uma empresa com risco de crédito de primeira linha, pagar à vista e em troca esta corporação se compromete a pagar um aluguel mensal próximo de 1% ao mês pelo prazo mínimo de 10 anos, com cobertura de seguro contra inadimplência, de acordo com a política de investimentos. “É um excelente negócio para a empresa, pois ela se capitaliza pagando um spread baixo, muito mais em conta se fosse pegar um empréstimo em um banco. E para o investidor também é ótimo, pois ele sabe que o fundo terá um fluxo financeiro sólido baseado em crédito de empresas de primeira linha. Esta é a nova era dos fundos imobiliários”, finaliza Figueiredo.

Colunas

CURITIBA RECEBE QUEEN EXPERIENCE IN CONCERT EM AGOSTO

O evento que acontece no dia 17 agosto, na Ópera de Arame, relembra os grandes clássicos da lendária banda de Freddie Mercury

Continue lendo

Comportamento antissocial

Por Luiz Fernando de Queiroz, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei dispõe sobre instalação de cercas energizadas

Por Mary Derosso

Continue lendo

Arquiteta explica diferença entre perspectiva artística e 3D

Modelos de desenho englobam profundidade e maior percepção do projeto

Continue lendo

Âmbito internacional

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Devedor eleito síndico!

Por Luiz Fernando de Queiro, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017