Economia

Investimento em imóveis e alta de preços

A queda na procura por imóveis e forte alta dos preços acumulada nos últimos anos tem causado um efeito negativo no mercado imobiliário: a desvalorização dos imóveis ou retorno abaixo da inflação

Segundo o economista Marcelo Weber, da Interinvest de Blumenau (SC), esse tipo de investimento já atingiu uma curva de maturidade e vem entrando em declínio. Na opinião dele, esse passou a ser um “desinvestimento”. O especialista explica: “Além da baixa valorização dos imóveis, quando comparamos com investimentos tradicionais, ainda há a desvantagem dos custos de transação, cartório, etc. Temos que considerar também o tempo em que o imóvel fica sem inquilino, despesas com manutenção, inadimplência, entre outras desvantagens”.

Weber observa que, quanto maior o padrão do imóvel, menor o retorno. “Geralmente, o retorno de aluguel sobre o valor do imóvel gira em torno de 0,5% ao mês. Mas, atualmente, o mercado está praticando preços até menores, de 0,3%. Aplicando em fundo conservador de renda fixa, por exemplo, é possível receber até 1,0% ao mês nos atuais patamares da taxa Selic”. Segundo o economista, os investidores acabam ignorando alguns aspectos importantes antes de alocar seus recursos em imóveis, como, por exemplo, o cenário macroeconômico e outras alternativas mais de investimentos.

Nos últimos anos, tivemos no Brasil elevação das taxas de juros; taxa de desemprego chegando a dois dígitos; aumento da inadimplência; baixa confiança da indústria e do consumidor; e restrição ao crédito. “Esse quadro de baixa atividade econômica resultou em crescimento pífio em 2014 e, posteriormente, à recessão em 2015 e 2016. Tal cenário, fez com que o setor imobiliário viesse a sucumbir nos últimos anos. Atualmente, nosso prognóstico é de que a economia voltará a crescer a partir de 2017. Sendo consenso no mercado que poderemos ter um crescimento de 1,2% do PIB no ano de 2017. Entretanto, mesmo projetando um aquecimento na atividade econômica, não esperamos que tenha reflexo no setor imobiliário no curto prazo. Isso porque o crescimento do setor imobiliário depende de condições estruturais que dificilmente ocorrerão em um curto período”, explica Weber.

Por esses motivos, segundo o especialista, quem estiver pensando em investir em imóveis deve considerar outras opções como, por exemplo, renda fixa. Algumas vantagens seriam a liquidez presente nesses ativos, com resgate da aplicação quase que imediata, a possibilidade de fracionar esses resgates (ou seja, é possível se desfazer apenas de parte da aplicação) e a alternativa de diversificação dos recursos, não ficando todo o montante aplicado em apenas um ativo.

Colunas

CURITIBA RECEBE QUEEN EXPERIENCE IN CONCERT EM AGOSTO

O evento que acontece no dia 17 agosto, na Ópera de Arame, relembra os grandes clássicos da lendária banda de Freddie Mercury

Continue lendo

Comportamento antissocial

Por Luiz Fernando de Queiroz, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei dispõe sobre instalação de cercas energizadas

Por Mary Derosso

Continue lendo

Arquiteta explica diferença entre perspectiva artística e 3D

Modelos de desenho englobam profundidade e maior percepção do projeto

Continue lendo

Âmbito internacional

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Devedor eleito síndico!

Por Luiz Fernando de Queiro, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017