Economia

Descubra como escolher o melhor imóvel para morar sozinho

Depois de analisada a situação financeira, é hora de buscar as regiões em que você tem mais interesse

Morar sozinho é uma experiência e tanto. Seja por vontade própria ou por necessidade, essa é uma mudança que exige muito planejamento, organização e reflexão. Além de precisar fazer as contas do orçamento e analisar como será sua vida a partir disso, você precisa sair em busca do melhor imóvel para morar sozinho. Mas o que levar em conta para evitar arrependimentos e garantir qualidade de vida?

As análises são muitas, mas é possível você se planejar e tomar uma decisão acertada com base nas suas prioridades. Para ajudar você a colocar à prova seu preparo e sua maturidade para essa decisão tão importante, vamos listar agora os principais fatores que você deve analisar para fazer a escolha certa. Está preparado? Então confira e alce voo rumo à independência!

Analise seu orçamento
A primeira coisa que você deve fazer antes de sair em busca do seu imóvel é levar em conta seu orçamento. Não adianta sonhar em morar sozinho em uma cobertura se seu rendimento ainda não permite que você arque com os custos dessa escolha.

Veja qual é seu ganho mensal e qual o valor máximo que você pode pagar por um aluguel. Em geral, especialistas aconselham a não arcar com um aluguel que comprometa mais do que 30% do rendimento.

É preciso levar em conta não só a locação, mas também o preço do condomínio, se houver, valor mensal do IPTU, entre outras cobranças. Alguns contratos podem incluir multas abusivas em caso de atrasos no pagamento e isso pode prejudicar sua saúde financeira.

O mesmo vale para parcelas do financiamento, no caso de você resolver comprar a propriedade. Nesse caso, é importante analisar com cautela as taxas de juros embutidas e verificar o valor final do imóvel.

Faça as contas de forma que você consiga viver de forma tranquila, sem passar apertos e sem se surpreender com gastos inesperados.

Uma ideia é fazer uma planilha com suas despesas fixas, sua receita mensal e separe um pouco para uma reserva financeira. Ela pode ser importante em casos de emergência. Não se esqueça, afinal, de que agora será somente você para arcar e cuidar de todos os problemas que podem surgir.

É importante, também, que você guarde um pouco do que ganha para seu próprio lazer. Uma vida feita somente de pagamentos de contas e obrigações pode ser estafante e isso pode fazer você se arrepender da decisão.

Escolha a localização ideal
Depois de analisada a situação financeira, é hora de buscar as regiões em que você tem mais interesse.

Veja os bairros que podem facilitar a sua vida. É importante e econômico escolher um bairro próximo ao trabalho, mas um valor de aluguel mais baixo pode compensar um preço mais elevado.

Se você vai se mudar para estudar em uma universidade em outra cidade, opte por imóveis próximos aos locais de aula. Isso vai ajudar você a não gastar tanto tempo no deslocamento e facilitar a organização do seu dia a dia.

Além da proximidade, convém você pesquisar a respeito dos valores praticados em cada região. Procure nos sites de imóveis o preço do metro quadrado por região e, a partir disso, liste os bairros mais convenientes para você.

Bairros mais afastados podem custar menos, mas também podem não ter uma infraestrutura completa para atender às suas necessidades de vida independente.

É importante que a região conte com hospitais, farmácias, supermercados, padarias e outros comércios que ajudam no dia a dia.

Outro fator essencial para você analisar é a respeito da segurança dos bairros. Procure optar por lugares em que os índices de criminalidade são baixos. Como você vai morar sozinho, pode ser arriscado andar pela vizinhança à noite.

Para ter certeza a respeito disso, procure visitar os locais em diversos horários e conversar com quem mora nesses bairros de interesse. Pergunte sobre a iluminação pública e se os serviços de emergência atendem às ocorrências rapidamente.

Ah! E lembre-se de ver como funciona o serviço de transporte público nessas regiões; se há linhas suficientes, se os pontos de ônibus são próximos, entre outros fatores.

Saiba de quanto espaço você precisa
Depois de cruzar as informações a respeito do seu orçamento e da segurança dos bairros acessíveis para você, é hora de partir para o tipo de imóvel que você busca.

Ainda que você vá morar sozinho, alugar o comprar uma propriedade é uma decisão que vai refletir por um bom tempo na sua vida. Por isso, pode ser precipitado optar por apartamento de um quarto para alugar, por exemplo.

Se você precisa de um home office, convém procurar alguma propriedade que tenha, pelo menos, dois quartos. Isso vai ajudar você a viver com conforto e evitar que se arrependa da sua escolha no futuro.

Por outro lado, se você é universitário e pretende viver no imóvel durante a faculdade, conferir as opções de kitnet para alugar em Curitiba pode ser uma alternativa econômica e funcional.

Se você pretende comprar a propriedade, procure vislumbrar o seu futuro. Você pretende se casar? Quer formar família? Ter filhos?

Se as suas respostas foram afirmativas, o ideal é que você opte por um imóvel mais amplo; com mais quartos e alguma área de lazer.

Uma boa opção são os apartamentos em condomínio. Eles podem ter um tamanho modesto e, ainda assim, oferecer diversas opções de lazer nas áreas comuns. Os empreendimentos mais modernos e sofisticados podem oferecer pistas de corrida, academia, espaço gourmet, churrasqueira profissional, brinquedoteca, entre outros espaços.

Também pode ser vantajoso procurar por casas de aluguel em tamanhos menores, mas com um quintal que pode ser usado para uma confraternização ou uma simples tarde em família.

Tomar a decisão de morar sozinho depende de inúmeros fatores, mas é possível com planejamento, organização e segurança do que quer. Está pronto para viver uma vida de independência, crescimento pessoal e maturidade? O que achou das dicas?

Colunas

Musical com teatro de bonecos anima o fim de semana no Shopping Estação

Espetáculo Voou será apresentado no sábado (24) e no domingo (25)

Continue lendo

Quem paga o prejuízo?

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei contribui para reduzir automedicação

Por Mary Derosso

Continue lendo

Técnica para harmonizar espaços com plantas

O Feng Shui, arte milenar chinesa, pode ser uma excelente alternativa para quem deseja harmonizar a casa, aproveitando a nova estação, de forma simples e sem muitos custos

Continue lendo

Conformidade e Eficiência

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Multa evoca dor e mágoa

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017