Condomínios promovem pouco a separação do lixo

A não separação dos resíduos é o maior problema enfrentado nos condomínios  Crédito: Bebel Ritzmann

Um dos principais problemas da vida em condomínio diz respeito ao tratamento que é dado ao lixo. É comum os moradores reclamarem de mau cheiro nas proximidades das lixeiras ou acúmulo de resíduos em áreas comuns. As normas variam de acordo com o Regulamento Interno de cada condomínio. Em alguns, os funcionários passam recolhendo o lixo em cada andar, já na maioria, cada morador deve levar os seus resíduos até a lixeira comum.

Independente do que está estabelecido no Regimento Interno, cuidar da higiene e do bem-estar na área comum é responsabilidade de todos os condôminos. Para o vice-presidente de Condomínios do Sindicato da Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), Dirceu Jarenko, o maior problema é a falta de separação do lixo. “A maioria dos condôminos ainda não separa, em suas residências, os resíduos orgânicos dos recicláveis. Nesse sentido, faltam campanhas de conscientização, tanto por parte das autoridades, como dos síndicos, para melhorar essa situação”.

Jarenko destaca que o papel do síndico é fundamental, sendo sua função estimular esse comportamento por meio de circulares e cartazes na área comum. Além disso, o Regulamento Interno deve disciplinar toda a questão do lixo, como separação, acomodação, transporte, punição e aplicação de multa. Porém, independente disso, os moradores precisam ter consciência das suas responsabilidades. “É comum alguns moradores não embalarem adequadamente seus lixos, utilizando sacos frágeis que acabam se rompendo durante o percurso. É importante que cada um faça a sua parte”, explica Dirceu.

Em casos de descumprimento das normas condominiais, o ideal é conversar inicialmente com o condômino e então, caso o problema não seja solucionado, aplicar a punição prevista no Regulamento. O vice-presidente de Condomínios do Secovi afirma ainda que, após o lixo ser depositado na lixeira comum, passa a ser de responsabilidade do condomínio o destino a ser dado ao mesmo. “Os funcionários devem realizar a limpeza das lixeiras regularmente e evitar colocar o lixo na rua nos dias em que o caminhão não passar, como nos feriados ou antes do horário pré-determinado pelo serviço municipal de coleta de lixo”.

Reciclar é possível

Em Curitiba, exemplos confirmam que separar o lixo e reciclá-lo é possível mesmo em grandes condomínios. Azionir Jazar, síndico do condomínio do Edifício das Palmeiras, localizado na Água Verde, administra 52 apartamentos. Há mais de dez anos, os moradores separam o lixo orgânico do reciclável.

Todos os andares possuem lixeiras, onde os condôminos depositam seus resíduos já separados em orgânicos e recicláveis. Na sequência, a servente do condomínio recolhe esses materiais e doa ou vende o que ainda pode ser aproveitado. O síndico afirma que “os moradores têm consciência do quanto essa atitude é importante e todos colaboram na separação do seu lixo”.

Para Jazar, a separação e a reciclagem do lixo são atitudes importantes e imprescindíveis para a preservação do meio ambiente. “Todos deveriam fazer”, finaliza.

 

Colunas

O PODER DA VOZ E DA PALAVRA DE DÉA TRANCOSO

A cantora mineira traz a Curitiba o espetáculo “Líricas breves para a construção de uma alma” que encerra a série Solo Música em 2017

Continue lendo

Obra nociva em área comum

Por Luiz Fernando de Queiroz, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Conhecendo nossas leis

Por Mary Derosso

Continue lendo

Iluminação inadequada pode prejudicar confraternizações

Em épocas de calor e fim de ano, é preciso pensar como dar aquela nova “cara” ao ambiente sem comprometer a atmosfera acolhedora

Continue lendo

Negócios em expansão

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Inquilino elege e demite

Por Luiz Fernando de Queiroz, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017