Cidade

Ponto histórico de Curitiba ganha mural da mobilidade urbana

A obra é do artista visual Luiz Gustavo Vidal, levou oito anos para ficar pronta e foram utilizados 1.250 azulejos aplicados na fachada do Edifício 13 de Maio, no bairro São Francisco

A inauguração do primeiro mural sobre mobilidade urbana de Curitiba, do artista visual Luiz Gustavo Vidal, criada em mais de mil azulejos e aplicada em fachada de prédio, atraiu uma multidão para o bairro São Francisco em Curitiba, no último sábado (22 de setembro), dedicado ao Dia Mundial Sem Carro.

A festa de inauguração teve a presença da Orquestra Ladies Ensemble, a única do Brasil composta apenas de mulheres, que tocou peças clássicas; da Banda Lyra, que apresentou o hino de Curitiba, e do grupo Lenhadores da Federal, formado por estudantes de Engenharia, responsável pela música de encerramento. Para tornar o evento ainda mais curitibano, a Cini forneceu a tradicional gasosa de gengibirra aos convidados.

O mural está aplicado na fachada do Edifício 13 de Maio, 1184, no bairro São Francisco, à esquerda da saída do viaduto que une as ruas Martin Afonso e Treze de Maio. O registro fotográfico que detalha o processo completo do trabalho, realizado pelo fotógrafo Rubens Nemetz, estará disponível para consulta online na Casa da Memória da Fundação Cultural de Curitiba.

O Mural Mobilidade Urbana, iniciativa de LG Vidal em parceria com a Elejor, levou 8 anos para ficar pronto. Com um desenho ousado, ele convida as pessoas a refletirem sobre o tempo e a mobilidade no passado, o presente e o futuro. É uma obra para olhar, olhar de novo, sentir e refletir.

Com o mural, Curitiba retoma a vocação de cidade muralista, berço de grandes artistas como Poty Lazzaroto. Vidal faz referência a Poty ao utilizar a mesma técnica que, ao contrário do que se imagina, é extremamente morosa: “foram mais de 1.100 horas de forno para que os 1.250 azulejos do mural estivessem preparados e com o pigmento e proteção adequadas para resistir às intempéries”, contou o artista.

“É uma área importantíssima do setor histórico da capital e que recebeu uma completa renovação. Além de embelezar o edifício, o mural resolveu um antigo problema de iluminação deste trecho da Rua Treze de Maio”, avaliou Leonor Menezes, síndica do prédio 13 de Maio.

Para Osmar Carboni, vice-presidente da APAP/PR - Associação Paranaense de Artistas Plásticos, “a obra de Vidal é uma discussão atual, uma temática de sustentabilidade. Para onde vamos, o que somos”.

Acompanhado por Vidal, o músico e compositor Danilo Caymmi esteve em Curitiba na semana anterior a inauguração e conheceu a obra em primeira mão: “Um magnífico e espetacular mural na cidade de Curitiba que vem acrescentar muito ao ambiente urbano. Uma homenagem sincera a um tema contundente como a mobilidade urbana. Todo esse trabalho me deixa muito feliz e eu só me lembro de ter visto uma iniciativa pessoal desta magnitude apenas em Curitiba”.

Depoimentos

Catarina Kletenberg e Gisah Camarosk, mãe e filha, foram até o local e afirmaram que moram no bairro Ahú e costumam passar pelo viaduto várias vezes na semana. “Ficamos muito curiosas para saber o que estava por trás do pano azul. Há muito tempo não acompanhamos a inauguração de uma obra de arte na cidade. Estamos acostumadas a frequentar todos os eventos culturais. Curitiba precisa deste tipo de iniciativa", confirmou Gisah, administradora.

O professor de educação física Juarez Santos acentuou que o mural “é muito colorido, traz alegria para essa região”.

A enfermeira do Samu, Giovanna de Paula, moradora do CIC, levou as filhas Roberta (11) e Paula (8) para a inauguração da placa. “É muito lindo. Você não imagina que debaixo desse pano azul sairia uma figura tão forte. As meninas também amaram. A Paula adorou porque a obra dele tem animais e bicicleta, duas coisas que ela adora. A Roberta me trouxe até aqui porque as crianças do colégio estão fazendo trabalho escolar sobre o Dia Mundial Sem carro e a professora falou sobre o evento”.

Olhar do artista

Vidal disse que a partir da observação da relação entre homem, animal e locomoção transformou pernas e patas em rodas de traços velozes e marcantes. “O desenho forte e o uso de uma cartela de cores reduzida, porém intensa, traz uma linguagem moderna e vigorosa ao centro histórico da cidade”, descreveu. Disse ainda que o mural está num local que as pessoas veem certamente todo dia, mas sem ver. Faz tempo que Curitiba não recebe um mural. E no centro histórico. E com iniciativa, coragem do próprio artista que olhou para uma parede rude e viu um boi. Viu uma mulher. E viu uma bicicleta. Tudo junto. E fez um extreme makeover no velho Edifício 13 de maio. “Não foi fácil, mas Matisse falou: a criatividade exige coragem”.

Colunas

CURITIBA RECEBE QUEEN EXPERIENCE IN CONCERT EM AGOSTO

O evento que acontece no dia 17 agosto, na Ópera de Arame, relembra os grandes clássicos da lendária banda de Freddie Mercury

Continue lendo

Obra ilegal não prescreve

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei melhora a saúde da mulher

Por Mary Derosso

Continue lendo

Formas circulares para acolher

As formas curvas, utilizadas com um bom conceito, auxiliam, também, na leveza e praticidade das circulações dos espaços

Continue lendo

TURMA DO MARTINUS CELEBRA 40 ANOS DE FORMATURA

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Registros e obrigações

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017