Universo Pet

A importância de voluntários para socializar cães-guia

Por George Harrison, especialista do Instituto Magnus, organização sem fins lucrativos voltada à criação e ao treinamento de cães terapêuticos e cães de assistência

Repleto de efemérides, como o Dia das Crianças, o Dia do Professor e o Dia do Idoso, o mês de outubro também reserva uma celebração especial para aqueles que são os melhores amigos de muitos seres humanos, o Dia Mundial dos Animais. A data, porém, também pode servir de ensejo para voltarmos a nossa atenção a uma questão pouco difundida no Brasil: a baixíssima quantidade de cães-guia, tão importantes para o dia a dia de cegos. 

A Secretaria Especial de Direitos Humanos, do Ministério da Justiça, e o IBGE estimam que existam apenas 169 cães-guia espalhados pelo Brasil, para cerca de 6.5 milhões de pessoas com deficiência visual com limitações intensas. Entre outras coisas, esse número reduzido se deve à ausência dessa cultura no país, motivada por fatores como o alto custo do treinamento dos animais e, principalmente, pela falta de famílias socializadoras para recebê-los durante o período de adaptação.

Embora a maioria das pessoas não saiba, a preparação desses pets vai muito além de um simples treinamento temporário: são necessários meses de convivência com famílias voluntárias. Desde os três meses de vida até por volta de um ano e meio, o animal passa por uma socialização com essas pessoas, que ficam responsáveis por apresentá-lo às mais diversas situações do cotidiano, como ir à padaria, pegar um ônibus ou lidar com crianças nas ruas. Isso tudo porque o animal precisa estar preparado para qualquer ocasião quando for entregue ao cego.

Entretanto, encontrar pessoas dispostas a fazer isso pode ser mais complicado do que parece. Depois de pouco mais de um ano de convivência necessária para a socialização, existe uma grande dificuldade na hora de devolver os cães para os centros de treinamento. Muitas pessoas se sentem extremamente apegadas aos animais e acabam por esquecer a causa maior do projeto.

Nesta época de reflexão, é necessário que se veja o animal não só como um bicho de estimação, mas também como uma peça fundamental na vida daqueles que precisam. As famílias voluntárias são fundamentais para que a sociabilização seja feita da maneira correta e o cego receba um cão capacitado a guiá-lo em todas as situações.

Colunas

SESI Música une Mano a Mano Trio e João Bosco no mesmo palco

A apresentação é inédita e acontece no dia 18 de novembro em uma realização do SESI Cultura Paraná

Continue lendo

Silêncio é lei noite e dia

Por Luiz Fernando de Queiroz, autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei traz benefícios aos deficientes visuais

Por Mary Derosso

Continue lendo

Arquiteto fala sobre os principais erros ao começar uma construção

É comum se cometer erros ao realizar uma construção, principalmente para os “marinheiros de primeira viagem”

Continue lendo

Nova imortal

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Acesso forçado à unidade

“O condômino está obrigado a permitir o acesso à área privativa se isso for indispensável para a realização de obras de conservação do edifício condominial.”

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017