Universo Pet

A importância de voluntários para socializar cães-guia

Por George Harrison, especialista do Instituto Magnus, organização sem fins lucrativos voltada à criação e ao treinamento de cães terapêuticos e cães de assistência

Repleto de efemérides, como o Dia das Crianças, o Dia do Professor e o Dia do Idoso, o mês de outubro também reserva uma celebração especial para aqueles que são os melhores amigos de muitos seres humanos, o Dia Mundial dos Animais. A data, porém, também pode servir de ensejo para voltarmos a nossa atenção a uma questão pouco difundida no Brasil: a baixíssima quantidade de cães-guia, tão importantes para o dia a dia de cegos. 

A Secretaria Especial de Direitos Humanos, do Ministério da Justiça, e o IBGE estimam que existam apenas 169 cães-guia espalhados pelo Brasil, para cerca de 6.5 milhões de pessoas com deficiência visual com limitações intensas. Entre outras coisas, esse número reduzido se deve à ausência dessa cultura no país, motivada por fatores como o alto custo do treinamento dos animais e, principalmente, pela falta de famílias socializadoras para recebê-los durante o período de adaptação.

Embora a maioria das pessoas não saiba, a preparação desses pets vai muito além de um simples treinamento temporário: são necessários meses de convivência com famílias voluntárias. Desde os três meses de vida até por volta de um ano e meio, o animal passa por uma socialização com essas pessoas, que ficam responsáveis por apresentá-lo às mais diversas situações do cotidiano, como ir à padaria, pegar um ônibus ou lidar com crianças nas ruas. Isso tudo porque o animal precisa estar preparado para qualquer ocasião quando for entregue ao cego.

Entretanto, encontrar pessoas dispostas a fazer isso pode ser mais complicado do que parece. Depois de pouco mais de um ano de convivência necessária para a socialização, existe uma grande dificuldade na hora de devolver os cães para os centros de treinamento. Muitas pessoas se sentem extremamente apegadas aos animais e acabam por esquecer a causa maior do projeto.

Nesta época de reflexão, é necessário que se veja o animal não só como um bicho de estimação, mas também como uma peça fundamental na vida daqueles que precisam. As famílias voluntárias são fundamentais para que a sociabilização seja feita da maneira correta e o cego receba um cão capacitado a guiá-lo em todas as situações.

Colunas

CURITIBA RECEBE QUEEN EXPERIENCE IN CONCERT EM AGOSTO

O evento que acontece no dia 17 agosto, na Ópera de Arame, relembra os grandes clássicos da lendária banda de Freddie Mercury

Continue lendo

Obra ilegal não prescreve

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

Lei melhora a saúde da mulher

Por Mary Derosso

Continue lendo

Formas circulares para acolher

As formas curvas, utilizadas com um bom conceito, auxiliam, também, na leveza e praticidade das circulações dos espaços

Continue lendo

Advogadas lançam obras

Por Bebel Ritzmann

Continue lendo

Registros e obrigações

Por Luiz Fernando de Queiroz autor do TPD-Direito Imobiliário e do Guia do Condomínio IOB

Continue lendo

O Morador  Online  - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por MMV
Fone: 41 - 3333-8017